Inspirações, por Alice

Pessoas que me inspiram: Frida Kahlo

frida

Escolhi essa foto para abrir o post porque ela representa duas Alices. A primeira tinha 18 anos e fazia curso de espanhol com o objetivo de conhecer o México e a casa da Frida Kahlo. A segunda, de 26 anos, realizou o sonho e trouxe essa caveirinha mexicana pra casa (que a minha gata Amélie fez o favor de morder).

Não sei dizer ao certo quando surgiu minha admiração pela artista plástica mexicana Frida Kahlo, mas descobrir o trabalho dela fez meu desejo de conhecer o México crescer ainda mais. As cores, a história comovente e o sentimento que ela mostra em suas obras me tocaram profundamente. Frida fala de sentimentos universais como a dor e o amor, de modo intenso e único.

Voltando ao curso de espanhol. Precisei fazer um trabalho de conclusão do curso, algo como um “TCC mais light” que deveria ser apresentado em espanhol. Elaborei um livro ilustrado onde cada página (desenho) contava um pouco sobre a vida da Frida. Tenho muito carinho por ele e guardo até hoje.

E para apresentar essa artista que tanto admiro aqui no blog, pensei que seria legal mostrar os meus desenhos feitos na época. Achei engraçado a simplicidade dos traços e da pintura, mas achei interessante o modo de me comunicar, usando meus desenhos.

colagem 1

1. Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón nasceu dia 6 de julho de 1907 em Coyacán, na época um pequeno distrito da Cidade do México (hoje é um bairro). Filha de pai alemão e mãe índia com descendência espanhola. Frida tinha três irmãs;

2. Aos seis anos, Frida contraiu poliomelite e como sequela uma de suas pernas ficou mais fina. Recebeu o apelido de “perna de pau” e passou a usar saias longas para disfarçar o “defeito” que tanto a incomodava;

3. Seu pai era fotógrafo e ensinou-a técnicas de fotografia, revelação e coloração;

4. Frida gostava muito da natureza e de biologia. Seu sonho era ser médica;

colagem2

5. Quando jovem, fez parte de um grupo estudantil comunista, além de passar a vida envolvida em movimentos e manifestações comunistas;

6. Aos 18 anos, adquire tristes sequelas em um trágico acidente, quando o bonde que a transportava chocou-se com um caminhão;

7. Frida quase perdeu a vida. Passou por diversas cirurgias e precisou fazer um longo repouso;

8. Seu pai percebeu a tristeza de Frida e a presenteou com tintas, pincéis e telas para que ela pudesse pintar e se distrair;

colagem3

9. Após pintar muitas telas, decidiu apresentá-las ao famoso muralista mexicano Diego Rivera;

10. Os dois iniciam uma amizade e parceria artística, que logo se transforma num romance que resulta em casamento;

11. A cultura mexicana foi uma grande inspiração para ambos, que passam a trabalhar juntos;

12. Frida adorava reunir os amigos em casa e cozinhar para eles;

PicMonkey Collage4

13. Frida amava Diego intensamente e pintava em suas telas as emoções que tomavam conta do seu coração: brigas, alegrias e principalmente, as desconfianças;

14. Diego era infiel e teve diversos casos extraconjugais, inclusive com a irmã de Frida;

15. A infidelidade de Diego fez Frida sofrer muito;

16. Foi então que ela também começou a ter outros casos amorosos, inclusive com mulheres;

PicMonkey Collage5

17. Além das dores físicas e emocionais, Frida sofreu muito por não conseguir ter filhos. Engravidou três vezes, mas sofreu abortos espontâneos;

18. Fez diversas exposições em seu país e também no exterior, como França e EUA;

19. O final de sua vida foi de muitas dores e sofrimento. Morreu aos 47 anos de embolia pulmonar, embora a última frase em seu diário levante suspeitas de suicídio;

20. A última frase do diário: Espero alegremente a saída – e espero nunca mais voltar.

espelho

Essa sou eu, refletida em um dos espelhos que Frida usava para fazer seus inúmeros autorretratos. Conhecer a casa dela era um grande sonho, realizado em outubro de 2012. Fui duas vezes à Casa Azul, sendo a primeira mais emocionante e inesquecível apesar dos detalhes meio trágicos e cômicos.

No meu primeiro dia de passeio na Cidade do México decidi pegar um ônibus turístico e ir até a casa da Frida. Achei que seria mais seguro e garantido, já que estava sozinha e não conhecia nada. O que eu não sabia era que o trajeto levaria horas devido ao trânsito intenso. Quando finalmente cheguei já escurecia e eu estava estressada, com raiva, fome e muita vontade de fazer xixi. Nem queria entrar na casa da Frida com essa energia negativa, mas acreditem, eu paguei a entrada só para usar o banheiro. #frustração

Entrei e fui correndo ao banheiro. Faltava meia hora para a a Casa Azul fechar, então quando saí do banheiro visitei tudo correndo, passando os olhos rapidamente e sentindo o estômago roncar de fome. Estava chateada comigo mesma por ter deixado o nervoso tomar conta de mim naquele dia tão especial.

cozinhafrida

Mas quando entrei no quarto dela as coisas mudaram. Minha mente fez silêncio e senti tudo mais quente e confortável. Olhei sua cama, seu espelho sobre a cama, o colete de couro, a prótese da perna e sua urna funerária. Não sei explicar, mas comecei a chorar. De felicidade, de conforto, de nem sei o que dizer. Eu estava lá. Sim, eu estava lá. Vendo e sentindo. Eu havia realizado meu sonho. A Frida existiu e eu estava em seu quarto, ao seu lado.

cariño

Quando voltei dois dias depois, foi diferente. Fui de metrô e me considerei a pessoa mais esperta do mundo por fazer isso sozinha na Cidade do México. Tive que atravessar uma passarela sobre uma autopista de mãos dadas com um americano desconhecido porque não conseguiria fazer isso sozinha. Não sabia falar inglês (mas agora estou aprendendo), apenas disse “be afraid” hahaha que tosca! Ele entendeu e eu agradeci com um “Very, very thank you”. Vergonha de mim mesma, mas orgulhosa por ter conquistado a viagem, o trajeto, a Frida e a nova Alice.

colete

Falei mais sobre a minha viagem ao México nesse post. E se pudesse, falaria em mais dez! (mas eu posso, não posso?)

Observação: as fotos foram feitas na minha segunda visita.

Para conhecer a obra de Frida, acesse o site do Museo Frida Kahlo

*

Essa experiência reflete uma luz dourada forte na minha caixinha de memórias.

<3

2 comentários Comentar

  1. angelica mantellatto

    Adorei rever esses desenhos (para dizer a verdade, não lembrava mais desse livro) Lembro dos inúmeros cartazes que vc fez para esse mesmo trabalho, e eu dizendo que já bastava, mas vc continuava fazendo mais e mais cartazes. Esse trabalho chamou muito a atenção das professoras , foi pedido para vc apresentar para outras turmas.
    É…foi muito emocionante, desde a produção até a apresentação…qdo vc voltou pra casa ainda estava muito emocionada…contava como tinha sido a apresentação e chorava…
    Bjs minha Frida… ops, Alice!

    Responder
    1. Realmente eu me empolguei demais nesse trabalho. Ele era uma pré-materialização do que eu desejava: conhecer o México e a casa da Frida.
      E se não fosse pelo apoio seu e do meu pai, não teria alcançado minhas conquistas <3
      Beijos!!!!! <3

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *