A menina que desenha o mundo

2005

Fiz esse desenho há dez anos. Gostava de criar meu mundo paralelo através do desenho, lugar onde ele era colorido e poético para que a vida fosse mais leve. Depois fui entendo que a arte faz isso com a gente, tem o poder de transformar a realidade, de suavizar as dores, de dar uma segunda chance. Essa sou eu, sentada no chão do ônibus, ouvindo walkman, observando as pessoas e sentindo minha alma colorida, de dentro pra fora.

Infelizmente não consegui dar continuidade aos exercício de desenho dessa semana, mas não queria deixar o blog abandonado. E para dar uma boa dose de inspiração e delicadeza para a semana que está começando, achei que seria legal compartilhar o curta metragem Lilade Carlos LascanoEle mostra bem o que eu sentia aos 18 anos e o que sinto aos 28, com mais intensidade.

*

Como é bom lembrar que eu ainda posso desenhar o meu mundo

<3

4 comentários Comentar

  1. Adoro esse curta-metragem. A Lila é uma pessoa, difícil de si definir, não existe palavras que definam o qui eu senti, quando assistir esse curta pela primeira vez. Só tenho a dizer que ela, me fez lembrar e sentir coisas maravilhosas, me fez voltar a desenhar e ver cor nas coisas que aparenta ser apenas cinza.
    Adorei esse seu desenho. Tu tem talento dez de criança. É muito bom poder desenhar, colocar pra fora tudo que vemos e sentimos. Isso nos ajudar a ver melhor o mundo.
    Gosteiii muiiito. Lindo Blog!

    Responder
    1. Também gosto muito desse curta, Marina. A vida pode ser mais bonita através de coisas simples, como um caderno de desenho e alguns lápis.
      Fico feliz que tenha gostado do meu desenho (e também do blog)! Preciso voltar a desenhar coisas mais espontâneas como fazia na adolescência.
      Beijos e seja bem vinda <3

      Responder
  2. gente, coisa mais linda esse vídeo! Vou colocá-lo nos meus favoritos, já! uma das coisas que mais me encanta sobre os artistas é essa capacidade de poder enxergar as coisas com outro olhos. embora que, no caso da Lila, ela me passou mais uma sensação de tristeza…alguém que sente muito a falta dos pais, e por isso não consegue sair do mundo da fantasia que criou para si. pelo menos, foi essa a “leitura” que fiz do vídeo.. não deixa de ser lindo, claro!

    Ah, e adorei o teu desenho. quando eu era pequena, eu gostava de desenhar a casa dos meus sonhos…desenhava o interior dela, com móveis e tudo..hehe
    bjss

    Responder
    1. Interessante a sua interpretação, Bia! Pode ser mesmo um escape para a Lila e acho que todos os artistas são assim, criam outra realidade para si. Como diz Nietzsche “A arte existe para que a realidade não nos destrua.”
      Que bom que gostou do meu desenho! Já tentou refazer a casa dos seus sonhos agora? Será que é igual à que você desenhava na infância?
      O resultado pode ser surpreendente :)
      Beijos e boa semana <3

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *