Inspirações, por Alice

Pessoas que me inspiram: Juliana Bollini

8275028909_2cbd8c77d4_z

Conhecer o trabalho da Juliana Bollini foi tão importante quanto conhecer o da Carol W. As “descobertas” aconteceram em momentos diferentes da minha vida e ambas me influenciam até hoje.

Me lembro com detalhes do dia que conheci o trabalho da Juliana. Era 2010 e eu estava no meu primeiro emprego. Eu era professora de artesanato (pintura em tela, tecido e ecoarte) em Lençóis Paulista e fui pela primeira vez à Mega Artesanal numa viagem à trabalho. Gostei de ver tantas novidades, materiais variados e pessoas com um sentimento em comum: o amor pelo artesanato e a curiosidade.

E foi nas minhas andanças pelos inúmeros stands da feira que conheci a revista Make, bem diferente das revistas que eu estava acostumada a ver. Comprei duas, escolhendo pelas fotos mais bonitas e coloridas.

No dia seguinte, em casa, acordei e decidi folhear as tais revistas. A cada página, uma beleza, uma inspiração. Mas quando cheguei na página 56, meu coração bateu mais forte. Vi um mundo mágico e poético feito de papel machê. “Como é possível tanta beleza ?” eu pensava. Acho que fiquei em choque.

DSC_1171

6538620793_aa49749d9c_z

6538647379_26bd9e6bd4_z

flickr1

6773210371_267199e6c7_z

flickr2

6538624965_5655c1ee7f_z

6773176931_fbf3990f86_z

flickr3

A Juliana é argentina, mas vive no Brasil há muitos anos. Ela descobriu a técnica do papel machê durante a faculdade de Belas Artes, que cursou em Buenos Aires. Desde então, nunca mais abandonou a técnica. Ela também ilustra livros infantis.

8273837607_cc1cebeffa_o

8276093440_d3cb5e3885_o2

Seu trabalho é delicado, suave e nos faz sentir dentro de um livro de conto de fadas ou um personagem de teatro de bonecos. As flores e as bonecas nos contam histórias delas mesmas, sem precisar falar nem escrever.

Há dois anos, estava passeando na Vila Madalena com a minha tia quando avistei alguns trabalhos da Juliana na vitrine de uma loja. Fiquei emocionada ao ver o trabalho dela ao vivo. Não poderia sair da loja sem levar uma peça para casa. Escolhi a escultura de parede Florecida nº7que tem muito significado para mim.

DSC_1160

Nesse vídeo, produzido pelo Amo meu fazer, você pode conhecer um pouco mais do trabalho da Juliana:

Imagens: Flickr da Juliana e Amo meu fazer.

Se eu pudesse definir em uma cena o que o trabalho da Juliana significa para mim, seria eu entrando numa caixinha de música.

<3

5 comentários Comentar

  1. Fernanda

    Nossa Alice, o trabalho dela é mesmo de dar suspiros! Adoro suas definições: como entrar em uma caixinha de música! LIINDO!

    Responder
    1. Lindo mesmo, né Fernanda?
      Ahhh que bom que gostou da minha definição :D
      Fiquei pensando qual seria a melhor forma de resumir tanta beleza em uma definição…E acho que encontrei!
      beijos <3

      Responder
  2. você descreveu direitinho o que sinto quando vejo peças lindas de papel machê (como as suas), parece um mundo mágico e poético. Realmente, o trabalho da Juliana é inspirador!

    Responder
    1. Obrigada, Ju <3 <3

      Responder
  3. madely silva

    Ai ai ai !! inspirada no trabalho dela comecei a fazer as minhas peças ….e depois conheci você ..só que bem antes das duas conheci a carol W ..lindas e boas inspirações.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *